sexta-feira, 6 de março de 2009

A LENDA DO HOMEM ETERNO




Pelo Sr. Armand Durantin
(1- 1Um vol. in-12. Preço: 3 francos.
Casa Dentu e na Livraria central, boulevar dos Italianos, no 24.).
O Espiritismo conquistou seu lugar nas crenças; se é ainda, para alguns escritores, um assunto de zombaria, é de se notar que entre aqueles mesmos que zombavam dele outrora, a zombaria baixou de tom diante do ascendente da opinião das massas, e se limita a reportar, sem comentários ou com restrições mais reservadas, os fatos que ali narram. Outros, sem nele crerem positivamente, e sem mesmo conhecê-lo a fundo, julgam a idéia bastante importante para nela haurir os assuntos de seus trabalhos de imaginação ou de fantasia. Tal é, isso nos parece, o caso da obra de que falamos. É um simples romance baseado sobre a crença espírita, apresentado do ponto de vista sério, mas ao qual podemos censurar alguns erros, sem dúvida, provenientes de um estudo incompleto da matéria. O autor que quer bordar uma ação de fantasia sobre um assunto histórico deve, antes de tudo, compenetrar-se bem da verdade do fato, a fim de não estar ao lado da história. Assim deverão fazer todos os escritores que quiserem aproveitar a idéia espírita, seja para não serem acusados de ignorar do que falam, seja para conquistar a simpatia dos adeptos, bastante numerosos hoje para pesar na balança da opinião, e concorrer ao sucesso de toda obra que toca, direta ou indiretamente, às suas crenças.
Feita essa reserva do ponto de vista da perfeita ortodoxia, a obra em questão não será por isso menos lida com muito interesse pelos partidários como pelos adversários do Espiritismo, e agradecemos ao autor pela graciosa homenagem que consentiu em nos fazer com o seu livro, chamado a popularizar a idéia nova. Dele citaremos as passagens seguintes, que tratam mais especialmente da Doutrina.
"À época em que o Sr. de Boursonne (um dos principais personagens do romance) perdera sua mulher, uma doutrina mística se difundia surdamente, lentamente, e se propagava na sombra. Ela contava ainda poucos apóstolos; mas não aspirava a nada menos do que se substituir aos diferentes cultos cristãos. Não lhe faltava ainda, para se tornar uma religião poderosa, senão a perseguição.
"Essa religião, é a do Espiritismo, tão eloqüentemente exposta pelo Sr. Allan Kardec, em sua notável obra O Livro dos Espíritos. Um de seus adeptos mais convencidos, era o conde de Boursonne.
"Não acrescentarei mais do que algumas palavras sobre essa doutrina, para fazer compreender aos incrédulos que o poder misterioso do conde era inteiramente natural.
"Os Espíritas reconhecem Deus e a imortalidade da alma. Crêem que a Terra é para eles um lugar de transição e de provas. Segundo eles, a alma é primeiro colocada por Deus num planeta de uma ordem inferior. Ali ela fica encerrada num corpo mais ou menos grosseiro, até o dia em que ela esteja bastante depurada para emigrar para um mundo superior. É assim que, depois de longas migrações e numerosas provas, as almas che- gam enfim à perfeição, e são então admitidas no seio de Deus. Depende, pois, do homem abreviar as suas peregrinações e chegar mais prontamente junto ao Senhor, melhorandose rapidamente.
"É uma crença do Espiritismo, crença tocante, que as almas mais perfeitas podem conversar com os Espíritos. Assim, segundo os Espíritas, podemos conversar com os seres que amamos e que perdemos, se nossa alma for bastante aperfeiçoada para ouvi-los e saber se fazer escutada por eles.
"São, pois, almas melhoradas, os homens mais perfeitos entre nós, que podem servir de intermediários entre o vulgo e os Espíritos; esses agentes, tanto zombados pelo ceticismo, tanto admirados e invejados pelos crentes, chamam-se, em linguagem espírita, médiuns.
"Isto explicado, uma vez por todas, anotemos de passagem que a Doutrina Espírita conta, nesta hora, seus adeptos por milhares, sobretudo nas grandeza cidades, e que o conde de Boursonne era um dos médiuns mais poderosos."
Isto é um primeiro erro grave; se fosse preciso ser perfeito para comunicar-se com os Espíritos, bem poucos gozariam desse privilégio. Os Espíritos se manifestam àqueles mesmos que deixam mais a desejar, precisamente para conduzi-los, por seus conselhos, a se melhorarem, segundo esta palavra do Cristo: "Não são aqueles que passam bem que têm necessidade de remédios." A mediunidade é uma faculdade que se prende ao organismo mais ou menos desenvolvido segundo os indivíduos, mas que pode ser dada ao mais indigno, como ao mais digno, com a condição de ser punido o primeiro se dela não aproveita ou se dela abusa. A superioridade moral do médium lhe assegura a simpatia dos bons Espíritos, e o torna apto para receber instruções de uma ordem mais elevada; mas a facilidade de comunicar-se com os seres do mundo invisível, seja diretamente, seja por intermediários, é dada a cada um tendo em vista o seu adiantamento. Eis o que o autor teria sabido se tivesse feito um estudo mais aprofundado da ciência espírita.
"A ciência moderna provou que tudo se encadeia. Assim, na ordem material, entre o infusório, o último dos animais, e o homem, que deles é a expressão mais elevada, existe uma cadeia de criaturas, melhoradas sucessivamente, como o provam com abundância as descobertas dos geólogos. Ora, os Espíritas se têm perguntado por que a mesma harmonia não existiria no mundo espiritual; se têm perguntado por que uma lacuna entre Deus e o homem, como o Sr. Lê Verrier perguntou-se como se fazia que um planeta pudesse faltar em tal lugar do céu, em virtude das leis harmoniosas que regem nosso mundo incompreensível e ainda desconhecido.
"Foi guiado por esse mesmo raciocínio que conduziu o eminente diretor do observatório de Paris à sua maravilhosa dedução, de que os Espíritas vieram para reconhecer os seres materiais entre o homem e Deus, antes de disso ter a prova palpável que adquiriram mais tarde."
Há igualmente aí um erro capital. O Espiritismo foi conduzido às suas teorias pela observação dos fatos, e não por um sistema preconcebido. O raciocínio do qual fala o autor é racional, sem dúvida, mas não foi assim que as coisas se passaram. Os Espíritas concluíram a existência dos Espíritos, porque os Espíritos se manifestaram espontaneamente; indicaram a lei que rege as relações do mundo visível e do mundo invisível, porque observaram essas relações; admitiram a hierarquia progressiva dos Espíritos, porque os Espíritos se mostraram a eles em todos os graus de adiantamento; adotaram o princípio da pluralidade das existências não só porque os Espíritos lhes ensinaram, mas porque esse princípio resulta, como lei da Natureza, da observação dos fatos que temos sob os olhos. Em resumo, o Espiritismo não admitiu nada a título de hipótese preliminar; tudo na doutrina é um resultado da experiência. Eis tudo o que temos muitas vezes repetido em nossas obras.
REVISTA ESPÍRITA
JORNAL DE ESTUDOS PSICOLÓGICOS
PUBLICADA SOB A DIREÇÃO DE ALLAN KARDEC
ANO 7 - FEVEREIRO 1864 - Nº. 2

Nenhum comentário:

Postar um comentário