quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

A LUZ DO MUNDO



Disse Jesus em Jo. 8-32 "... e conhecereis a verdade e a verdade vos libertará".

O próprio Pilatos, durante o julgamento do Cristo perguntou (Jo. 18-38) "Que é a verdade?".
Não nos conta o Evangelho se foi Pilatos que não esperou a resposta à pergunta feita, ou se foi o Mestre que sabendo de antemão que nada adiantaria, se negou a respondê-la.
De qualquer maneira que queiramos entender esse episódio é de interesse puramente do nosso irmão Pilatos e dos judeus daquela época.
Para nós, cristãos convictos, cabe hoje buscarmos conhecer essa verdade a fim de que ela possa nos tornar livres.
Ora, somente Jesus, autor desse ensinamento é que também poderá nos fornecer a solução do problema.
Se isto for verdade, então somente o Evangelho nos poderá socorrer e indicar o caminho que estamos percorrendo. Isto é bem verdade pois que nesse mesmo capítulo nos dá o Mestre mais uma indicação segura para nossa incerteza e desconhecimento (Jo. 8-12) "Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará nas trevas, pelo contrário, terá a luz da vida".
Se Ele se declara a luz do mundo por certo os ensinamentos contidos no Evangelho devem conter a solução da proposição que estamos examinando.
Ora, não é o Evangelho o repositório de todos os seus ensinamentos? Portanto nele certamente encontraremos a solução, é só questão de buscar e encontrar. Vamos pois procurar.
É Jesus, o Cristo, o guia, o mestre, o salvador, o libertador da humanidade terrena, portanto os seus ensinamentos devem conter todos os elementos necessários para que o estudioso neles encontre as condições precisas para se salvar e também se libertar.
Logo, no estudo, interpretação e vivência do Evangelho deveremos encontrar tudo quanto for necessário à nossa libertação. Sendo o Evangelho um repositório das Leis Cósmicas, Lei de Deus, que nos foram transmitidas por Jesus, o Cristo, neles estão contidos todos os elementos que necessitamos para conhecer a verdade que nos libertará.
O próprio Cristo diz: "Eu sou a luz do Mundo". Ora, se Ele é a luz do mundo, logo a luz para nós se fará, se transformarmos os seus ensinamentos em nosso guia, nosso roteiro; para isso basta conhecer, seguir, viver o Evangelho, pois que para nós o Cristo é o ensinamento que nos legou. Como estudar tão precioso legado?
São Paulo nos adverte em II Cor. 3-6 "o qual nos habilitou para sermos ministros de uma nova aliança não da letra morta, mas do espírito que vivifica".
Aí está a sábia fórmula para entendermos os ensinamentos do Mestre amado. É preciso que nos despojemos de todo orgulho, vaidade, pretensão e que nos tornemos pequeninos diante de nós mesmos para que possamos entender tão sábios ensinamentos.
Só o humilde é capaz de bem interpretar, porque despido de todas as pretensões permitirá ao ensinamento entrar em seu coração onde se estabelecerá e produzirá frutos, pela vivência dos preceitos.
Só realmente pode sentir quem puder viver a verdade e só pode conhecer a verdade quem realmente estiver liberto de todos os vícios que ensombram a moral evangélica e esta nos é ensinada pelo próprio Mestre: (Mat. 5-24) "deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro, reconcilia-te com teu irmão, e então voltando faze a tua oferta". Exige a Lei que não guardemos qualquer mágoa em nossos corações para que possamos viver integralmente os Evangelhos.
Não basta que sigamos este ou aquele ensinamento, é necessário que sigamos os ensinamentos do Evangelho para sermos livres, uma vez que somos igualmente importantes diante de Deus. Se assim não fosse o Cristo não teria perdido tempo em ensiná-lo.
Quando Jesus nos transmitiu o preceito "e conhecereis a verdade...". Ele nos quis dizer a verdade integral, total, não as verdades parciais a que estamos acostumados a conhecer, digo verdades parciais pois que cada religião, seita ou doutrina se apega a uma determinada verdade exposta no Evangelho e mal interpretada, e em base dessa interpretação, como diz Paulo, segundo a letra, luta encarniçadamente, às vezes por encarnações sucessivas, perfeitamente convictos de estarem de posse da verdade total. Este é o estado evolutivo da humanidade que assim se deixa levar até o momento de despertar para uma verdade maior, até que através de verdades parciais, cada vez maiores, atinja a verdade total, quando após inúmeras reencarnações consiga aproximar-se do Cristo e assim entendê-lo em sua plenitude. Mas tomemos tento, que quando o Cristo enunciou no seu Evangelho: "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida", Ele clara e insofismavelmente nos deixou patenteado que a Verdade que liberta só poderá ser encontrada por quem estuda, interpreta e vive todos os preceitos evangélicos que nos legou.
Só assim é que poderemos nos libertar totalmente das peias que nos mantêm presos a este mundo tornando-nos cidadãos universais, pois que a lei evangélica é a Lei de Deus.

DESPERTADOR - setembro/outubro de 1980

Nenhum comentário:

Postar um comentário