sexta-feira, 5 de agosto de 2011

JUIZO FINAL

 

JESUS disse: “No dia do juízo”, falando dos habitantes de Tiro e de Sídon, de Corozain e de Betsaida, de Carfanaum e de Sodoma. Foi uma figura, uma comparação de que se serviu o Mestre. Deveis compreender-lhe as palavras do modo seguinte: “digo-vos que os de Corozain e de Betsaida serão julgados mais severamente do que os de Tiro e de Sídon que, juntos com os primeiros, se apresentarão ao Juiz Supremo; - que os de Cafarnaum serão julgados mais severamente do que os de Sodoma, que, com eles, se apresentarão ao Juiz Supremo”.
Tende sempre em conta o estilo figurado de que usava Jesus, forçado pelas necessidades da época, pelos preconceitos respeitados, pelo estado das inteligências, pela conveniência de velar a verdade, até que chegassem os vossos dias, em que o espírito, mediante o advento da nova revelação, seria despojado da letra, a fim de preparar os homens para se tornarem adoradores do pai em espírito e em verdade.
As palavras – “no dia do juízo’”. – não  tinham, no pensamento então velado de Jesus, a significação  de um juízo final, a que sejam chamados, como diz a Igreja, todos os que morreram desde a origem dos tempos. Não, os habitantes de Tiro e de Sídon, de Corozain e de Betsaida, de Cafarnaum e de Sodoma, bem como todos os Espíritos culpados que hão vivido na terra desde que o homem aí apareceu, passaram depois da morte ao cabo de cada existência, pelo julgamento, isto é, pela expiação na erraticidade e, em seguida, pela reencarnação.
Dentre os Espíritos culpados das diversas cidades de que falava Jesus, alguns já terminaram suas provações expiatórias, outros progrediram muito. Poucos chegarão à época da renovação do vosso planeta, sem terem logrado a satisfação de seus desejos.
Não haverá, repetimos juízo final, como o dia a Igreja. O que de fato se dará é que nos últimos dias da era material da humanidade terrena, os que se conservarem rebeldes serão degredados para os mundos inferiores. Só os que tiverem chegado ao grau de aperfeiçoamento que devem atingir poderão permanecer na Terra, para aí continuarem a avançar na senda do progresso. Não é essa, porém, a idéia que, influenciados pelas falsas interpretações próprias do reinado da letra, os homens fazem do juízo final. Os Espíritos culpados irão sendo afastados gradualmente da terra e esta se purificará de modo quase imperceptível para vós outros. A renovação do vosso planeta não resultará de um violento abalo, mas de um progresso continuo.

Retirado do livro “OS QUATROS EVANGELHOS” de J.B. Roustaing.
Recebido mediunicamente pelos apóstolos Mateus, Marcos e Lucas.
Paginas247 e 248

Nenhum comentário:

Postar um comentário